segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Avaliação curso de tecnologia na educação


O curso contribuiu muito em minha prática, porque possuo uma vivência recente com as mídias. Ele veio a fortalecer a vontade de aprender e de conduzir um trabalho junto aos alunos, mais consistente e baseado em suportes teóricos.

A inserção das tecnológias na minha prática se faz necessário para explorar as mídias que a escola possue, e oferecer aos alunos suporte para seus trabalhos, de forma que eles vivenciem na escola momentos de reflexão e criatividade podendo vir a ser autores.

Os textos foram pertinentes ao momento do curso, dando embasamentos importantes e contribuições para refletirmos a importancia das tecnológias e seu uso adequado no espaço escolar.

As atividades propostas contribuiram com a realidade do grupo, sendo adaptadas quando necessárias. As atividades presenciais foram bem reflexivas, adaptadas para o grupo presente, discutidas e acordados. Achei positivo a introdução com animação, que abre um leque maior de possibilidades no trabalho com os alunos.

A possibilidae de se trabalhar com parcerias durante o cruso foi legal. Mostrou que na escola podemos trocar projetos comuns com áreas distintas e com adaptações. Desta forma, fazemos uso coletivo das tecnologias oferecidas pela escola.

Foi bom trabalhar a distância tendo suporte presencial durante o curso, podendo tirar dúvidas com o grupo e professoras gestoras. O curso a distância nos obriga a usar a tecnologia mais autonomamente e procurar por soluções.

Como sugestão, os próximos cursos deveriam ter um molde diferenciado da plataforma e-proinfo, pois esse plataforma possui um grande acumulo de tarefas, dificultando o desenvolvimento e entrega das mesmas, no prazo solicitado.

Vídeo A corda que acorda

video


terça-feira, 30 de agosto de 2011

Sugestão para animação

A corda que desperta

Recém chegada, a menina sente-se só na nova cidade. Na praça quase vazia, com apenas algumas crianças, ela brinca isoladamente. A menina amarra sua simples corda na árvore e ali fica bamboleando e pensando nas antigas amizades, que agora, longe lhe deixam saudades, ali imagina todas elas. Mas quando desperta do seu sonho, uma das crianças que estava por perto, desamarra a corda e começa a trilhar junto com ela, nesse momento as outras crianças se aproximam e brincam. E assim, do sonho da saudade, surge a alegria da realidade.

Professores: Adriana/Luis/Cléria

O mesmo planejamento postado pelo Luis Waldir

Síntese da unidade 1

Os textos da unidade I fizeram-me refletir sobre as mudanças em nossa cultura, na educação e em toda sociedade causada pelo avanço tecnológico. Creio, ser necessário uma constante busca dos profissionais da educação, por estarem renovando sua prática pedagógica, utilizando as mídias como meios de assegurar uma nova forma de aprendizagem, que nos aproximado do dia-a-dia dos nossos alunos.
Isto porque, estaremos oferecendo ferramentas para subsidiar o conhecimento, ampliando conceitos, criando situações problemas e reflexões individuas e em grupo, que levarão os nossos alunos a construir seu próprio conhecimento, vindo a serem sujeitos independentes e autônomos.
Trabalhos em sala de aula ampliam essa condição favorecendo e diversificando aquele modo tradicional de ensino.
Isto me faz refletir também, a respeito de quem sou eu como educadora, sou alguém que busca novas formas de letramento, já que sou iniciante, buscando aprendizagem na área da mídia. Portanto sou uma professora aprendiz.

fotos iniciais do trabalho com cordas - turma 33 - profs: Adriana Maia, Luis Waldir






sexta-feira, 19 de junho de 2009

REFLEXÕES SOBRE O TEXTO "SOFTWARE LIVRE NAS ESCOLAS"



"O texto de autoria de Alberto Tornaghi, nos remete a questões éticas quando diz:"É preciso pensar, a cada instante, que mundo estamos ajudando a construir com cada uma de nossas atitiudes, ações, palavras e decisões."
A todo momento fazemos escolhas, escolhemos por onde iremos, o que comeremos, o que diremos e no nosso cotidiano escolar não é diferente. As escolhas são feitas a cada minuto, a cada aluno atendido dessa ou daquela forma, do texto que vou ler ou não, da formação que farei com vontade ou por simples conveniência.
A escolha das mídas e o seu uso não foge a esta regra. A vida é feita de escolhas. Já que não podemos fugir dessa verdade, temos que ao menos passar a refletir sobre elas, pois antes de querermos formar cidadãos críticos, atores, etc, precisamos fazer este exercício com nós mesmos. Não podemos "forçar" o uso de um software livre se nós não estamos "abertos" para eles. Precisamos antes de "vender o peixe, saboreá-lo," para sermos éticos com nossos alunos, sermos coerentes com nossas falas e atitutes. Sem esse convencimento interior, estaremos indo de encontro ao que "pregamos". Seremos meros expectadores deixando o protagonismo de lado.
(Texto produzido durante a formação Introdução a Educação Digital - NTE/ Sílvia Dias e Adriana Maia).